23 de Outubro de 2014

O candidato perfeito: técnicas para encontrá-lo



Organizações são formadas, antes de tudo, por pessoas. Por isso, selecionar o candidato perfeito para uma vaga é crucial para o sucesso da tua empresa. Entretanto, conduzir o processo seletivo de forma correta para escolher a melhor opção não é uma tarefa fácil. Muito mais importante do que selecionar o melhor profissional, é preciso saber apontar o melhor candidato, ou seja, aquele profissional que tem maior aderência com o perfil da vaga e da empresa contratante.

Se você quer acertar no alvo na hora de escolher a pessoa ideal para trabalhar na tua empresa, não deixe de conferir nosso post!

Faça o dever de casa

Selecionar o candidato certo não significa simplesmente escolher o mais experiente ou o mais qualificado. O mais importante é escolher o profissional que melhor se encaixe na sua vaga. Por isso, faça sua parte, preparando-se direitinho para a seleção: estude os requisitos da vaga (inclusive tecnicamente), avalie qual tipo de funcionário a empresa precisa e planeje bem cada etapa do processo. É muito importante que todos os recrutadores tenham um conhecimento técnico ao menos básico sobre a área / disciplina em que a vaga está alocada. Se a empresa não oferece treinamento sobre o conhecimento das atividades e responsabilidades desta área de tua responsabilidade, tenha ao menos o perfil investigativo, curioso, de pesquisa para aprofundar-se sobre aquele universo em que os candidatos se encontram.

Dessa forma, você  consegue focar nas características e qualidades que você deve buscar e, sem se deixar distrair por aspectos irrelevantes para aquele cargo específico, aumentando assim suas chances de tomar a decisão ideal.

Pode parecer inacreditável mas, boa parte dos processos de recrutamento e seleção são iniciados por recrutadores que sequer entenderam a descrição do cargo. A maior dificuldade está em entender tecnicamente o que o gestor requisitante da vaga deseja exatamente.

De olho na ficha

Não há como fugir da estratégia mais batida, mas também mais eficiente para o início do processo de seleção: a análise do currículo. Conhecer a formação do candidato, suas experiências anteriores, suas habilidades e interesses é imprescindível para definir se ele é uma boa opção para a vaga.

Mas atenção: a avaliação do currículo deve servir somente como uma etapa de caráter eliminatório e não classificatório, já que o momento ainda é de “peneira”, ou seja, de reprovar apenas aqueles que realmente não apresentam os pré-requisitos impostos pelo seu futuro chefe. Afinal, o currículo revela apenas algumas facetas do candidato. As outras ainda serão descobertas.

Uma nova tecnologia que adiciona muito a capacidade de avaliação ainda na etapa de filtro são as plataformas digitais de gravação de “pré-entrevistas” sem a presença do recrutador. Assistir aos candidatos respondendo exatamente aquelas perguntas que desejamos ver e ouvir, adiciona muito ao nosso poder de análise de perfil se compararmos a simples leitura dos currículos. Desta forma, podemos avaliar a aderência técnica em detalhes (uma sugestão é pedir ao próprio gestor definir as perguntas), empatia, fluência na língua estrangeira, oratória, postura, interesse, etc..

Ouvir mais do que falar

O momento da entrevista é um dos mais fundamentais na busca pelo candidato ideal. É a hora de conhecer não só o profissional, como também a pessoa do candidato. Isso significa que, além de confirmar as informações que estão no seu currículo e na gravação da “pré-entrevista”, esse é o momento ideal para verificar se a pessoa parece se adequar à sua cultura organizacional e aos valores adotados pela sua empresa. Para descobrir tudo isso, faça perguntas e deixe o candidato falar sobre si.

A maioria dos entrevistadores e entrevistados já conhece as perguntas que são feitas de praxe em uma entrevista de emprego: qual o interesse do candidato na vaga, o que ele espera alcançar, o que tem a oferecer à empresa, etc.. Consequentemente, é uma boa ideia pensar em perguntas diferentes e inusitadas que apontem para algum aspecto interessante da vaga.

Se você procura alguém detalhista, por exemplo, pode pedir ao entrevistado para descrever como seria a casa dos seus sonhos e verificar sua capacidade de minúcia. Também é uma boa ideia pedir a ele para se preparar para falar durante cinco minutos sobre um tema específico, como um hobby, um projeto interessante em que trabalhou ou um livro lido recentemente. Assim, é possível avaliar sua capacidade de organização e sua objetividade.

Outra estratégia interessante no momento da entrevista é analisar a linguagem corporal do candidato, já que sua postura pode revelar informações importantes sobre ele.

Mão na massa

Observar os candidatos em ação é muito interessante para o processo seletivo. Afinal, é a oportunidade que você tem para avaliar se a experiência e os conhecimentos apresentados no currículo realmente se refletem na prática e como o pretendente à vaga se sai em demandas típicas da sua empresa.

Realizar uma atividade dinâmica, onde o candidato tenta resolver um problema, fictício ou não, ajuda a avaliar como ele age na prática, quais as suas estratégias e processos de trabalho e como ele se organiza.

Existem empresas substituindo dinâmicas de grupo pela gravação de “pré-entrevistas” com o objetivo de aumentar a produtividade dos processos de seleção, economizando tempo e recursos financeiros.

Por fim, lembre-se de que planejar bem cada uma das etapas do processo seletivo aumenta suas chances de sucesso. É imprescindível que os profissionais envolvidos no processo de recrutamento e seleção disponham de tempo e estrutura para descobrirem, pesquisarem, utilizarem os melhores espaços para a busca destes candidatos.

Que outras estratégias você utiliza para encontrar o candidato perfeito? Conte para a gente nos comentários!

Escrito por Renato Tavares