29 de Setembro de 2014

Selecionado, mas não era o candidato ideal. Por que isso acontece e o que pode ser feito para melhorar as seleções?



Uma entrevista não é apenas uma conversa, é a possibilidade de identificar potenciais colaboradores para sua empresa. Porém, quando ela não é planejada como deveria ser, gera seleções desastrosas para as empresas, além de gastos de tempo e recursos financeiros desnecessários.

A grande dificuldade das empresas e, principalmente, dos setores de Recursos Humanos, é fazer uma entrevista que gere resultados satisfatórios. Como a exigência do mercado está cada dia mais elevada, os candidatos se tornam, também, mais capacitados tecnicamente para os cargos propostos. Mas será que só a capacidade técnica é suficiente para selecionar o candidato ideal?

Por que o candidato escolhido não foi o ideal

Ao preparar uma entrevista, o recrutador deve elaborar um planejamento que contenha três etapas básicas: 1) descrição do cargo; 2) definição dos requisitos técnicos, pessoais e emocionais e a divisão deles entre essenciais e desejáveis; e 3) delimitação das perguntas que serão feitas ao candidato ao longo da entrevista.

Descrição do cargo

Descrever o cargo pode não parecer muito relevante para a entrevista, mas é uma etapa fundamental. A descrição deve conter, de forma clara e coerente, todas as atividades que serão desenvolvidas pelo candidato quando ele se tornar um colaborador. Com essa definição em mãos, o recrutador identifica, na entrevista, se o candidato será capaz de desenvolver essas ações com base nos seus conhecimentos prévios.

Outro ponto positivo é a possibilidade que o recrutador terá de responder às perguntas do candidato quanto às atividades desenvolvidas e os processos de trabalho. Afinal, não existe nada mais desagradável do que um recrutador que não tem um conhecimento consistente da vaga proposta.

Requisitos técnicos, pessoais e emocionais e suas divisões entre essenciais e desejáveis

Conhecer bem que tipo de candidato atenderá sua empresa é outro fator fundamental para acertar na escolha. Destrinchar os requisitos técnicos, pessoais e emocionais ajuda o recrutador a direcionar a entrevista em busca do pretendente ideal.

Para que os requisitos não fiquem muito extensos e exijam um candidato quase perfeito – o que, diga-se de passagem, não existe –, torna-se necessário flexibilizar as exigências. Para isso, é importante dividir cada requisito em essenciais e desejáveis. Aqueles candidatos que não preencherem as exigências essenciais serão eliminados, ao passo que os que não cumprirem os requisitos desejáveis serão reavaliados ao final das entrevistas de acordo com as outras análises.

Perguntas que serão feitas ao candidato ao longo da entrevista

Com os requisitos definidos, é possível elaborar as perguntas que serão feitas ao candidato. Elas devem ser realizadas de acordo com o tempo que o recrutador disponibilizou para a entrevista. Causa uma péssima imagem da empresa quando a entrevista é muito curta e o candidato percebe que não houve interesse do recrutador em planejar aquele momento, ou quando ela é muito longa e torna o processo desestimulante e cansativo.

As primeiras questões devem ser voltadas para os requisitos que se pretende analisar. Quanto aos requisitos técnicos, é interessante e aconselhável que o gestor da área participe do processo – afinal, ele tem um conhecimento técnico que o recrutador não tem. Em relação às demais perguntas,  o objetivo é conhecer o candidato.

Algumas questões são bastante usuais e os candidatos já estão preparados para respondê-las, o que pode fazer com que o recrutador tenha dificuldade de conhecer o perfil verdadeiro do postulante à vaga. Por isso, devem ser feitas perguntas que deixem-o surpreso e torne a entrevista mais produtiva e real. Perguntar para ele, por exemplo, como conseguiu tempo para comparecer à entrevista, caso esteja empregado, é uma boa forma de pegá-lo desprevenido e verificar como ele lida com situações inesperadas.

Elaborar uma entrevista e planejá-la pode parecer simples, mas requer tempo, trabalho e pesquisas. Os candidatos estão cada vez mais preparados para responder, de forma verdadeira ou não, perguntas elaboradas pelos recrutadores, o que torna ainda mais difícil o papel de identificação de um postulante ideal para a vaga.

Por isso, recrutador, se você quer elaborar processos seletivos campeões, continue acompanhando as dicas do nosso blog! Caso tenha ficado alguma dúvida ou tenha considerações, compartilhe-as conosco por meio dos comentários!

Escrito por Renato Tavares